21 junho, 2010

CONCURSO DE MEL: Feira Agrícola Açores 2010

Angra do Heroísmo, no passado dia 03 de Junho, no âmbito da Feira Agrícola Açores 2010 realizou-se um concurso de mel cuja comissão organizadora era composta por elementos da FRUTER - Associação de Produtores de Frutas, de Produtos Hortícolas e Florícolas da Ilha Terceira, da Direcção Regional dos Assuntos Comunitários da Agricultura e dos Serviços de Desenvolvimento Agrário da Ilha Terceira.

O júri foi composto pelo Eng.º José Gardete, Maria Luísa Garcia e por mim, que provamos trinta amostras de mel divididas em treze méis claros e dezassete escuros, avaliados nos parâmetros Cor, Aroma e Sabor.

As diferenças na cor, com óbvia correspondência nos aromas e sabores, deviam-se às diferentes florações sazonais equiparáveis na maioria das ilhas, sendo esta diferença acentuada com a data da cresta. O Incenso, Pittosporum undulatum Vent. Floresce durante os meses de Janeiro, Fevereiro e Março, sendo a floração principal do arquipélago. Findo este período, com a cresta, obtém-se um mel muito aromático, suave e de característica cor clara entre o amarelo suave e o acentuado.

O “atraso” na cresta destes méis torna-os cada vez mais escuros, devido à entrada de néctares provenientes de outras florações também elas muito importantes quer na abundância respectiva, quer na qualidade que conferem ao mel dos Açores. Trata-se sobretudo de uma arbórea oriunda da Nova Zelândia o Metrosideros excelsa, com um bonito efeito estético nos jardins, e os característicos trevos dos prados e pastagens das ilhas, entre muitas outras fontes de néctar.

Estes méis apresentam uma cor que evolui desde o amarelo suave, passando por uma vasta gama de âmbares até quase ao negro, quanto mais tardia for a cresta e a consequente multiplicidade de néctares concorrentes. Estas alterações na cor e na composição são também acompanhadas por variantes subtis no sabor que conferem a cada tipo de mel características únicas e muito agradáveis.

Foi opinião unânime do júri a dificuldade em distinguir e classificar as melhores amostras, dada a excelente qualidade e características próprias de cada um, o que se reflectiu em pontuações muito próximas (com variação de décimas) nos méis melhor classificados:

Méis Claros:
1º lugar (136,5 pontos) Paulo Jorge Meneses Rico – Ilha Terceira
2º lugar (136,2 pontos) Maria de Fátima P. da Costa – Ilha do Pico
3º lugar (128,5 pontos) Manuel Fernando Jorge Furtado – Ilha do Pico

Méis Escuros:
1º lugar (125,5 pontos) Manuel Jorge Moules Ferreira – Ilha Terceira
2º lugar (125,4 pontos) Luís Carlos Silveira de Melo – Ilha Terceira
3º lugar (120,0 pontos) César Fernando da Silva – Ilha do Faial

De assinalar o facto de que a grande maioria, senão a totalidade, das amostras levadas a concurso não sofreram qualquer penalização devido a impurezas, cheiros impróprios ou qualquer outra característica menos favorável, atestando o profissionalismo e a maturidade técnica dos apicultores envolvidos.

A ausência de Varroose na maioria da ilhas e a consequente não utilização de acaricidas, também contribuirá decerto para as excelentes características organolépticas do mel açoreano…

Os agradecimentos ao Eng.º António Marques (FRUTER) e Eng.º Paulo Miranda (DRACA) pelo profissionalismo, disponibilidade e apoio constante durante a prova de méis.

4 comentários:

Anónimo disse...

Obrigado pela promoção dos Açores e do nosso Mel.
Muito obrigado também por terem vindo valorizar o nosso concurso.
Foi de facto gratificante a vossa presença, ficando apenas o lamento por parate de alguns apicultores de não terem podido privar mais convosco. Era o desejo de poder partilhar conhecimentos, histórias, etc., que caracterizam "as apiculturas"...
Ficará certamente para uma próxima oportunidade.
Cumprimentos,
Paulo Miranda

Alien disse...

Caro Paulo Miranda,

Saiba que foi um prazer termos participado no referido evento, tanto pelo contacto com uma realidade apícola diferente da que estamos habituados, como pelas muitas pessoas cuja simpatia bastante marcou esse período.

As próximas 4 ou 5 notícias do "Montedomel" focarão obviamente a Apicultura dos Açores, e creio que, pelos contactos efectuados, muitas mais se seguirão.

As características climáticas da Vª região, tal como a flora disponível, o maneio praticado entre outros factores apícolas, a excelente organização local do sector, a beleza natural das ilhas, por si só, são mais que suficientes para a promoção do mel e da própria região.

Só por curiosidade, quando antes me surpreendia com as 5 candidaturas dos Açores às ” 7 Maravilhas Naturais de Portugal”, durante a minha estadia encontrei mais de uma dúzia de potenciais candidatas, e nem saí da Ilha Terceira…

A nossa “mania muito portuguesa” de que “lá fora é que é bom” levou-me a colocar os Açores num lugar modesto da minha lista de destinos possíveis, claro que depois desta experiência passaram a local de romagem obrigatória no futuro.

Reitero os meus agradecimentos, também em nome da Luísa e do Engº Gardete,

Abraços
Joaquim Pifano

ATITUDE disse...

Pois é.... o lamento de não poder partilhar ideias, experiências, novos saberes, etc.... Será sempre o nosso calcanhar de Aquiles. São os "custos" de ser ILHÉU.É aquilo que "alguns" chamam de Insularidade. E contra esta nada a fazer, pelo menos enquanto se tiver de pagar quase 300 euros euros para fazer pouco mais de 1500 km.

Grande Abraço
António Marques

Anónimo disse...

Fico contente por ver aqui exposto as belas paisagens da ilha Terceira, terra fantástica e de boa gente.
Os Açores têm condições extraordinárias para a apicultura e a produção de mel de qualidade.

Grande abraço Miranda e António

João Mesquita