12 julho, 2009

Cerificador Solar

Há dois ou três anos encontrei uma caixa metálica de parede dupla, que resolvi reciclar como cerificador solar. A dita caixa em inox, era um chafing dishe como os utilizados nas cantinas ou restaurantes com água aquecida para manter a comida quente.

Adaptei-lhe uma janela em alumínio a servir de tampa, mas com um único vidro, devia ter optado por vidro duplo.

No interior, para a cera não assentar directamente no fundo, improvisei um estrado com a grelha metálica retirada da traseira de um velho frigorífico. Cortei-lhe as curvas do tubo de cobre com um alicate, deixando apenas seis viradas para baixo a servir de pés e quatro viradas para cima para lhe podermos pegar.

Sobre a grelha ainda coloquei rede mosquiteira para reter algumas impurezas da cera fundida. Foi uma boa opção, de facto há imensos resíduos que ficam neste filtro.
Há que ter o cuidado de limpar a rede mosquiteira quando está quente, caso contrário torna-se difícil remover as impurezas que a podem impermeabilizar.

O objectivo inicial era que a cera fundida caísse no fundo da caixa e escorre-se por um tubo até ao recipiente exterior de recolha, (molde), sob a estrutura.
A parte da fusão da cera foi um sucesso, qualquer “ponta de Sol” era eficaz, o pior é que a cera solidificava muito rapidamente no fundo da caixa e entupia o tubo de saída.

Não sei se o problema se deveu à “sombra” causada pela grelha + rede mosquiteira + cera ainda sólida, ou ainda às temperaturas anormalmente baixas dos últimos três anos...

O que é um facto é que tive de modificar a forma de extrair a cera. Isto é, passei a recolhê-la com uma espátula do fundo da caixa de inox ao fim do dia, já sólida mas ainda quente, o que facilita o trabalho.
Tal procedimento leva a novo trabalho de refundição da cera, que desta vez já cai para dentro de moldes no interior da caixa, o que é bom pois a nova filtragem deixa a cera completamente limpa, mas com o dobro do tempo e do trabalho...

Vou mesmo ter de alterar todo o conjunto de modo a ter um plano inclinado no interior, em chapa metálica, com a mesma grelha e rede mosquiteira por cima, mas que a cera fundida já escorra para um molde no interior da caixa e só solidifique nesse local.

Creio que é um desperdício de energia e de dinheiro a aquisição de cerificadores a gás ou eléctricos, num país com tantas horas de Sol como o nosso. Pelo que a utilização de cerificadores solares, em metal ou em madeira, além de muito baratos (na aquisição e no consumo) são bastante eficazes e práticos.

3 comentários:

Maria Helena disse...

Muito interessante... estou a gostar até agora...

Mel Fonte Nova disse...

amigo Pifano ,obrigado pela resposta afirmativa para utilizar as fotos. sobre o cerificador eu uso um recipiente dentro do frigorifico (cerificador) para que a cera não tenha que passar por orificio nenhumbasta que tenha espaço para retirar o recipiente (pequenos alguidares) quando cheios. No meu cerificador solar em junho atingi 110º mas normalmente atingi os 85º 90º

até outro dia.
MELFONTENOVA
Adelino Ramos

Mário disse...

Aproveitei a ideia e elaborei algo parecido com os materiais que tinha à disposição, o resultado é cera limpa :)

Abraço
Ferradela