18 fevereiro, 2013

A Vespa velutina em Portugal

A Vespa velutina em Portugal continental e a apicultura nacional

Miguel Maia (1) e José Manuel Grosso-Silva, (2)

(1) APIMIL, Associação Apícola Entre Minho e Lima, Vila Nova de Cerveira // APISMAIA, Produtos & Serviços em Apicultura; Vila Real, apismaia@sapo.pt

(2) CIBIO/UP, Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto- Campus Agrário de Vairão, 4485-661 Vairão

Introdução

A espécie Vespa velutina nigrithorax é a designada Vespa-asiática, sendo originária da China, Afeganistão, Indochina e Indonésia (CARPENTER & KOJIMA, 1997) onde foram identificadas 12 variedades desta espécie. Desta vespa pouco se sabe acerca da sua biologia e comportamento predador, mesmo no seu habitat natural. A Vespa-asiática foi introduzida na Europa, através de um transporte de hortícolas vindos da China e que foi desembarcado no porto de Bordéus (França) no ano de 2004 (VILLEMANT et al., 2006). De então para cá, a Vespa velutina já conquistou 1/3 do território francês (Figura 1) e colonizou o norte da Península Ibérica em 2010 (CASTRO & PAGOLA-CARTE, 2010).


Figura 1. Progressão da invasão de França pela Vespa-asiática desde a sua deteção em 2004 até 2009 (VILLEMANT et al., 2010).

Territórios como a Suíça, Holanda e norte de Itália já esperam uma invasão desta vespa nos próximos tempos, tendo sido recentemente detetada na Bélgica (ROME et al., 2012). Em Setembro de 2011, foram detetados exemplares de V. velutina no concelho de Viana do Castelo (Portugal) em 4 apiários (GROSSO-SILVA & MAIA, 2012; ROME et al., 2012). Porém, até ao momento não foram detetados ninhos primários (fundadoras) nem secundários.

O Ciclo biológico da Vespa velutina

O ciclo biológico desta vespa é anual e consiste basicamente em dois períodos. Um primeiro período para a rainha fundadora (Fevereiro a Abril) e outro período de tempo para o crescimento da colónia (Abril a Novembro) (Figura 2).

Figura 2. Ciclo anual da Vespa velutina (adaptado)

A partir de Janeiro/Fevereiro, a rainha fundadora começa a construir um ninho primário. Este ninho é cerca do tamanho de 2 “bolas de ténis” e contêm a rainha e dezenas de vespas obreiras. Durante a Primavera o ninho começa a crescer em número de obreiras, sendo o ninho primário abandonando e construído um ninho secundário. Este ninho secundário é definitivo e bastante maior que o anterior. Devido ao crescimento exponencial da comunidade de vespas, a maior parte dos ataques aos apiários é realizado do início do Verão até ao início do Outono. Este período pode ser mais alongado caso haja temperaturas amenas durante o Outono. Ainda no princípio do Outono dá-se a fecundação das futuras rainhas (rainhas fundadoras) e, quando as temperaturas começam a decrescer (Outubro/Novembro), estas rainhas iniciam a sua hibernação no solo. Nesta altura do ano, todas as obreiras morreram e o ninho secundário está vazio.

A alimentação da Vespa velutina

De uma maneira geral, as vespas que caçam abelhas, entre outros invertebrados, é com o intuito de fornecerem alimentação proteica para a sua criação. A maior parte das vespas atacam as abelhas individualmente. A excepção vai para a Vespa-gigante (Vespa mandarinia) que ataca as abelhas em grupo e facilmente invade o interior das colmeias.

Quando a população do ninho começa a crescer de uma forma significativa (Junho) até ao seu máximo (Novembro) é quando existe uma maior procura por alimento. É neste período de tempo que os apiários estão sobre uma maior pressão.

A identificação de ninhos

A localização/identificação dos ninhos será importante para sabermos acerca da sua estabilização futura em Portugal. A identificação de ninhos de Vespa velutina faz-se maioritariamente em árvores com alturas superiores a 5 metros. No entanto, a sua detecção é mais fácil no Outono quando as folhas caem. São ninhos que podem atingir 1 m de altura por 0,8 m de largura e a entrada/saída de vespas é realizada por um orifício lateral ao ninho (Figura 3). Ao detetar os ninhos de fundadoras é necessário proceder à sua destruição (para controlo da invasão em Portugal).

Figura 3. Indicação de orifício de entrada/saída de Vespa velutina.
A Vespa crabro tem outras particularidades: na maior parte das vezes constrói o ninho em fendas de árvores ou em estruturas de edifícios e a entrada/saída de vespas é feita através de um orifício localizado na parte inferior do ninho.

Construção de armadilhas

A construção e utilização de armadilhas não permitem a erradicação da Vespa velutina. As armadilhas são úteis para monitoração e localização do ninho de vespas como também para diminuição da predação. Se existem muitas vespas no apiário, devem ser colocadas armadilhas para diminuir a pressão de predação.

As armadilhas podem ser construídas com garrafas de plástico ou adquiridas em lojas da especialidade. Existem vários “iscos” para atrair as vespas. É necessário verificar se o isco que colocamos nos nossos apiários é próprio para Vespa velutina pois poderemos cair no erro de atrair outros predadores e abrir um espaço para o aumento da predação pela Vespa-asiática. O tempo para mudar o isco depende da sua “receita”. Se é com carne deve estar cada dia, se é com álcool e açúcar, pode estar cada semana. Porém, deverão ser os apicultores a monitorizar nos seus apiários qual o melhor espaço de tempo para a sua substituição. Por exemplo uma “receita” de isco pode ter os seguintes “ingredientes”:

• Mel fermentado : água (1:1)

• Xarope groselha (200 ml) : 1 litro cerveja: ½ litro vinho

• Solução de mel obtida de favos velhos (deixar fermentar)

Independentemente da forma como o isco é realizado, convém que o seja bastante fluído para que as vespas sejam obrigadas a molhar as asas. Assim, os seus movimentos ficam reduzidos e tornam-se incapazes de sair das armadilhas.

Diferenças entre a Vespa velutina e Vespa crabro

Existem diferenças notáveis entre a espécie nativa V. crabro e a espécie exótica V. velutina (Figura 4):

Vespa velutina caracteriza-se por ter um abdómen de cor mais escura com algumas listras amarelas;

• As extremidades das patas de V. velutina são amarelas, enquanto em Vespa crabro apresentam uma cor escura;

• A subespécie introduzida é Vespa velutina nigrithorax, que como o nome indica tem o tórax negro.

Figura 4. Aspeto de Vespa velutina, com indicação das características de diagnóstico.


Bibliografia

CARPENTER, J. M. & KOJIMA, J., 1997. Checklist of the species in the subfamily Vespinae (Insecta: Hymenoptera: Vespidae). Nat. Hist. Bull. Ibaraki Univ., 1: 51-92.

CASTRO, L. & PAGOLA-CARTE, S., 2010. Vespa velutina Lepeletier, 1836 (Hymenoptera: Vespidae), recolectada en la Península Ibérica. Heteropterus, Rev. Entomol., 10: 193-196.

GROSSO & SILVA, J. M. & MAIA, M., 2012. Vespa velutina Lepeletier, 1836 (Hymenoptera, Vespidae), new species for Portugal. Arquivos Entomolóxicos, 6: 53-54.

ROME, Q.; MULLER, F. & VILLEMANT, C., 2012. Expasion en 2011 de Vespa velutina Lepeletier en Europe (Hym., Vespidae). Bull. Societé Entomologique de Frrance, 117 (1): 114.

VILLEMANT, C.; HAXAIRE, J. & STREITO, J.-C., 2006. La découverte du Frelon asiatique Vespa velutina, en France. Insectes, 143: 3-7.

VILLEMANT, C.; ROME, Q. & MULLER, F., 2010. Vespa velutina, un nouvel envahisseur prédateur d’abeilles. La lettre de la SECAS, 62: 14-18.

Agradecimentos

Ao Nuno Amaro e Pedro Pereira, pela dedicação e recolha de exemplares de Vespa velutina. Ao Julián Urkiola, Presidente da Associação de Apicultores de Guipúzkoa (Espanha), pelo envio de fotos.

10 comentários:

Abelha Preguiçosa disse...

medo... muito medo...

Manuel Gonçalo B. Pinho disse...

Ontem capturei 3 exemplares junto de uma pensão, nas termas de Caldelas, concelho de Amares, distrito de Braga.

JCBelo disse...

Este fim de semana fui visitar um amigo em Coucieiro, próximo de Vila Verde e consegui capturar um exemplar desta vespa. Também apurei que os apicultores por ali têm tido alguns dissabores.

Anónimo disse...

Boa noite ,

Eu moro na Covilhã e tenho visto estas abelhas nas minhas videiras alimentando-se de de alguma uvas que ficaram por colher e também já assisti ao seu lado predador,pois vi uma vespa levar uma abelha do mel como se fosse uma águia a levar um coelho.

Anónimo disse...

Já apareceram em Aljezur, onde foram capturados três exemplares dentro do edíficio escolar. Se houve comunicação às autoridades não se sabe. Elas estiveram expostas na sala de professores durante uma semana pelo que não se pode negar a sua existência.

Atimati Mukti Ma disse...

Vivo perto de Coucieiro, Vila Verde (em Sande) e só tenho encontrado Crabro. Ainda não vi nenhuma asiática. Quando entram em minha casa, meto-as num frasco para as observar com atenção e perceber qual delas é. Para já, eram todas Crabro

Alien disse...

Olá Atimati Mukti Ma

No entanto a região onde vive parece ser uma das mais afectadas pela Vespa velutina.
Felizmente que aqui no Sul ainda não houve nenhum relato fiável da presença de tais vespas, vamos aguardar.

Cumprimentos
Joaquim Pifano

Atimati Mukti Ma disse...

Ontem estive na cooperativa de Vila Verde e falei com alguns apicultores. Agora já não tenho mais a certeza se as que apanhei e soltei eram ou não a crabro ou a velutina. Tinha decorado a cor das patas ao contrário.
Vou ter de ter muito cuidado pois parece mesmo que sim, a velutina está em todo o lado por aqui. Ao que soube, todas as noites são destruídos 1 a 2 ninhos. Nunca pensei que a situação fosse tão grave.
Obrigada pela descrição e imagens tão detalhadas das duas.

Anónimo disse...

Vivo em Sabadão, Ponte de Lima, e na ultima semana vi três asiáticas, umas das quais aprisionei em frasco. Há vizinhos que garantem existir um ninho na encosta sul do Monte de S. Ovídio.

Anónimo disse...

Também entrou uma velutina (patas amarelas)na minha casa em Riba de Ave, Famalicão.
Apliquei veneno cfc na cozinha.
Nunca mais a vi.