13 novembro, 2009

POESIA APÍCOLA

Como tristezas não pagam dívidas, fiquem hoje com estas "décimas" da autoria do Sr. José da Silva Máximo, grande mestre na arte de versejar e pai de um grande amigo (Fernando Máximo) a quem solicitei a obra, digam lá se não valeu a pena:

Voando de flor em flor
Fazem polinização;
Desse constante labor
Resulta a fecundação.


Numa caixinha quadrada
Que o homem lhe preparou,
Nela o enxame encontrou
Quadros com cera moldada;
Uma pequenina entrada
Evita algum predador,
Uma rampa tem valor
Para chegada e partida,
Quão é grande a sua lida
Voando de flor em flor…

Crescem a cera fazendo
Com arte e com perfeição
Os favos que mais não são
Que alvéolos que vão crescendo;
Com o mel os vão enchendo
O mel doce que nos dão,
Esses insectos que vão
Aqui e ali procurando
Nas flores sempre poisando
Fazem polinização.

São da colmeia ciosas
Se alguém as for atacar,
Não hesitam aplicar
As picadas dolorosas;
Não são nada carinhosas
Ao defender-se a rigor,
Desde manhã ao Sol por
Vão trabalhando a preceito,
E o homem tira proveito
Desse constante labor.

Há uma abelha rainha
Que é a que põe os ovos,
Logo dão enxames novos
Quando Abril se avizinha;
Procura nova casinha
Esses milhares que então
Dentro em pouco já irão
Trocando o pólen colhido
Nas flores que hão escolhido
Resulta a fecundação.

Autor: JOSÉ DA SILVA MÁXIMO/Santo António das Areias

6 comentários:

www.avisense.blogspot.com disse...

Obrigado por divulgar a obra do meu pai.
Penso que as Décimas estão "deliciosas", tão deliciosas quanto o mel que as (suas) abelhas produzem.
Parabéns a todos aqueles que, como você, se dedicam à apicultura.

sergio_apic disse...

Bonitos Versos. Por mim já são um Hino ás abelhas.

Parabéns ao senhor José da Silva Máximo.

Belissimo

Paulo Romero disse...

Sr.Joaquim,esses versos sobre as abelhas são muito bem feitos;paressem com o tipo de poesia,aqui do nordeste Brasileiro.Gostei muito.
UM ABRAÇO.
Paulo Romero.
MeliponárioBraz.
http://www.urucueabelhasnativas.blogspot.com

Alien disse...

Obrigado Romero,
Fica o "desafio" para nos enviar uns versos sobre a meliponicultura do Nordeste do Brasil...
Um abraço
JPifano

Paulo Romero disse...

Amigo Joaquim,obrigado pela força.Apesar de não ser poeta,eu vou aceitar o desafio,e vou fazer alguns versos sobre a meliponicultura aqui no nordeste Brasileiro.
UM ABRAÇO.
Paulo Romero.
MeliponárioBraz.

Paulo Romero disse...

O amigo Joaquim Pífano, apicultor de Portugal, em visita ao meu blog me propôs um desafio: fazer uma poesia falando da meliponicultura no Nordeste Brasileiro. Mesmo sem ser poeta, aceitei o desafio e aqui está o resultado!



A Meliponicultura no Nordeste Brasileiro


Meu amigo Joaquim, de Portugal
Apicultor experiente e respeitado
Me fez um desafio sem igual
Falar da Meliponicultura em meu estado

As abelhas nativas do nordeste
São fortes e se adaptam muito bem
E o homem por ser cabra da peste
Sabe dar o valor que ela tem

Manduri, Canudo e Jandaíra
Hoje é mais difícil de encontrar
Jataí, Mosquito e a Cupira
Só encontro muito Arapuá

No nordeste a criação racional
De abelhas nativas tá crescendo
Pois o homem já viu o potencial
Precisa preservar e está fazendo

Lá do mato a abelha vem num toco
Pra poder ser transferido para a caixa
Mesmo o mel produzido ali é pouco
De meio litro a um litro, é nessa faixa

Pra transferir as abelhas para a caixa
Você tem que ter muito cuidado
Pois os discos de cria que se encaixa
Não devem ser por você machucado

Uma vez a transferência já completa
Faça um reforço alimentar
Pois o sucesso é sua meta
E é isso que você vai alcançar

Quando a colônia estiver bastante forte
É a hora de fazer a divisão
E se você tiver cuidado e sorte
Só irá aumentar a criação

Pra retirar o mel tenha cuidado
Uma seringa é bom você usar
Higiene sempre é recomendado
Pra que o mel não venha a fermentar

Esse alimento é fonte de energia
Conhecido por ser medicinal
É por isso que todo mundo deveria
Consumir esse néctar natural

Amigo, preserve a natureza
Não destrua o seu meio-ambiente
Pois isso é sua maior riqueza
Aprenda a preservar daqui pra frente

Aveloz, marmeleiro e catingueira
Fazem parte da paisagem do sertão
Umburana, umbuzeiro e quixabeira
O pereiro, juazeiro e o pinhão

A meliponicultura tem ajudado
Na preservação ambiental
Pois o meliponicultor tem evitado
De cortar a mata natural

Criem abelhas, faz bem pra todos nós
É o que eu sempre vou dizer
Mesmo que eu seja uma só voz
É isso que eu sempre irei fazer

Me desculpe se a rima não prestou
Mas foi feita com muita dedicação
Atendendo a um pedido hoje estou
Dando uma de poeta do Sertão

Meu amigo Joaquim, aquele abraço
Muita sorte na sua criação
Por aqui vou seguindo passo-a-passo
Esse ofício que escolhi por profissão

Um abraço..
Paulo Romero
urucueabelhasnativas.blogspot.com