19 novembro, 2009

Poesia de Meliponineos no Nordeste Brasileiro

Quando publiquei a “Poesia Apícola” da autoria do Sr. José da Silva Máximo, recebi um curioso comentário vindo do Brasil, pelo meliponicultor Paulo Romero, do Meliponário Braz (http://urucueabelhasnativas.blogspot.com) que dizia:

Sr.Joaquim, esses versos sobre as abelhas são muito bem feitos, parecem com o tipo de poesia aqui do Nordeste Brasileiro. Gostei muito.”

Resolvi aproveitar a “deixa” para lançar um desafio ao amigo Paulo Romero, para nos “mostrar” a poesia Nordestina referente à meliponicultura.
E não é que ele respondeu mesmo com a seguinte mensagem ???
Para quem não se diz ser poeta, acreditem que o resultado é excelente!!!

O amigo Joaquim Pífano, apicultor de Portugal, em visita ao meu blog me propôs um desafio: fazer uma poesia falando da meliponicultura no Nordeste Brasileiro. Mesmo sem ser poeta, aceitei o desafio e aqui está o resultado!

A Meliponicultura no Nordeste Brasileiro

Meu amigo Joaquim, de Portugal
Apicultor experiente e respeitado
Me fez um desafio sem igual
Falar da Meliponicultura em meu estado

As abelhas nativas do nordeste
São fortes e se adaptam muito bem
E o homem por ser cabra da peste
Sabe dar o valor que ela tem

Manduri, Canudo e Jandaíra
Hoje é mais difícil de encontrar
Jataí, Mosquito e a Cupira
Só encontro muito Arapuá

No nordeste a criação racional
De abelhas nativas tá crescendo
Pois o homem já viu o potencial
Precisa preservar e está fazendo

Lá do mato a abelha vem num toco
Pra poder ser transferido para a caixa
Mesmo o mel produzido ali é pouco
De meio litro a um litro, é nessa faixa

Pra transferir as abelhas para a caixa
Você tem que ter muito cuidado
Pois os discos de cria que se encaixa
Não devem ser por você machucado

Uma vez a transferência já completa
Faça um reforço alimentar
Pois o sucesso é sua meta
E é isso que você vai alcançar

Quando a colônia estiver bastante forte
É a hora de fazer a divisão
E se você tiver cuidado e sorte
Só irá aumentar a criação

Pra retirar o mel tenha cuidado
Uma seringa é bom você usar
Higiene sempre é recomendado
Pra que o mel não venha a fermentar

Esse alimento é fonte de energia
Conhecido por ser medicinal
É por isso que todo mundo deveria
Consumir esse néctar natural

Amigo, preserve a natureza
Não destrua o seu meio-ambiente
Pois isso é sua maior riqueza
Aprenda a preservar daqui pra frente

Aveloz, marmeleiro e catingueira
Fazem parte da paisagem do sertão
Umburana, umbuzeiro e quixabeira
O pereiro, juazeiro e o pinhão

A meliponicultura tem ajudado
Na preservação ambiental
Pois o meliponicultor tem evitado
De cortar a mata natural

Criem abelhas, faz bem pra todos nós
É o que eu sempre vou dizer
Mesmo que eu seja uma só voz
É isso que eu sempre irei fazer

Me desculpe se a rima não prestou
Mas foi feita com muita dedicação
Atendendo a um pedido hoje estou
Dando uma de poeta do Sertão

Meu amigo Joaquim, aquele abraço
Muita sorte na sua criação
Por aqui vou seguindo passo-a-passo
Esse ofício que escolhi por profissão

Um abraço...

Paulo Romero
http://urucueabelhasnativas.blogspot.com

3 comentários:

Paulo Romero disse...

Amigo Joaquim,
Eu que estou apenas engatinhando,em relação a meliponicultura e,principalmente ao blog,estou altamente lisonjeado em ter minha simples poesia,publicada em seu blog(na 1ª página)e,que com certeza vai ser vista por todo o mundo,já que seu blog é muito conhecido.

Muito obrigado pela força.
Um abraço.
Paulo Romero.
Meliponário Braz.

Meliponário do Sertão disse...

Mestre Pífano, o Paulo é grande apaixonado pelas abelhas sem ferrão, mora numa região bem parecida com a minha, é praticamente meu vizinho pois mora no Estado ao Lado, conheci seu blog a pouco tempo e estou me programando para fazer uma visita a ele para conhecer seu, certamente, belo meliponário.

Eu sabia que ele era um grande meliponicultor, mas não sabia que era também um grande poeta.

att,

Kalhil
www.meliponariodosertao.blogspot.com
Mossoró-RN

Apisarte disse...

Boa poesia!
Um grande abraço a todos!
"Tanto mar e nós aqui!"
Carlos Pimenta